Dando sequência a uma série de postagens que estou fazendo sobre dicas de automação de teste de software, após ter escolhido as ferramentas de automação e de integração contínua, o próximo passo abordado será definir o ambiente de teste.

Quando falamos em teste de software, tanto para automático quanto manual um ponto bem importante a ser considerado e que demanda boa parte de nosso tempo é a configuração do ambiente de teste. Não me refiro somente a parte de infra-estrutura, relacionadas a configurações de hardware, que não deixam de ser importantes, mas existem outras questões relacionadas a configuração da base de dados também. Os testes deverão ser arquitetados de forma que não fiquem acoplados em nenhuma base, com intuito que funcionem de forma independente. Dessa forma, evitará quebras desnecessárias quando executar os testes em uma base de dados diferente, evitando “falsos negativos”.

Leia mais em:
http://www.matera.com/br/2016/05/10/automacao-de-teste-de-software-parte-2-definicao-do-ambiente-de-teste/