A crise e o fim do QA?

Queria saber da opinião da galera sobre esse tema.
Alguns setores do país estão passando por um momento bem difícil e as demissões são inevitáveis, aqui no Rio muitos QAs estão perdendo o emprego decorrente desse cenário.

Além disso algumas empresas grandes estão fazendo o movimento de acabar com o cargo de QA nos times (o papel continua existindo mas é feito por Devs ou DevOps).

Eu sei que essa é uma discussão antiga com muitas visões e opiniões, mas eu pelo menos estou passando por uma fase de repensar minha carreira. Mais alguém está passando por isso?

Observação: eu sei que tem empresas que ainda se encontram em um passo anterior, de ter testers dentro dos times ou até mesmo área de teste separada. Porém se formos observar as empresas “legais”, inovadoras e com um bom ambiente de trabalho, parece que esse cargo fica cada vez mais escasso.

Samy

Isso é um assunto chato de conversar, mas a questão é sempre aquele papo: Fim do QA, do modo que conhecemos atualmente. Estamos “aos poucos” inserindo isso em outras funções para não ser uma função específica. Afinal, como a gente mesmo fala, isso não é responsabilidade de um, é de todos envolvidos.
Aqui no brasil , na minha visão, acho mais complicado esse assunto, pois tem duas coisas que acredito que “ferram” mais ainda trabalhar com qualidade: Orçamento e Arrogancia.

  1. Se uma crise é “declarada” no brasil, cortes são feitos de várias maneiras (não que sejam cortes inteligentes, mas não vou entrar no detalhe…) e daí pesa a questão dentro de um time: Quem realmente cria? Vale a pena “demitir um dev/dba/sysadm” para manter o orçamento ou podemos pegar alguns “cargos que criam menos” (está em aspas pois sabemos que não é bem assim…)?? Então, como a decisão (desse tipo de questão) não é do time, mas dos administradores, sabemos o que acontece… (sad but true)

  2. Sobre a arrogancia, existe muita gente (mas muita gente mesmo) que acha o cargo de QA como “divino”, que é “detentor da qualidade”, que precisa cuidar da qualidade do sistema ao máximo, que esquece que não é nada disso. Que é mais um ser humano, trabalhando com desenvolvimento de software. Daí na hora de negociarem/serem entrevistados/whatever se acham na posição de se colocar em “modo divino” e se achar a coisa mais importante no projeto. Agora imagina alguém do setor de RH negociando com , não uma, mas várias pessoas assim… Ou um gerente lidando com isso? …É fogo…

*Ps: Aqui no RS AINDA não teve uma baixa das vagas…Mas a procura começa mais por abril, pois algumas empresas fecham contratos, orçamentos e etc…"

@Ramses-Saccol-de-Almeida por incrível que pareça concordo com você :P

Sei que esse assunto rola faz muito tempo e tem muitos pontos de vista (não necessariamente certos ou errados). Mas nos últimos meses, principalmente observando o mercado carioca, tem surgido esse tipo de questionamento com várias pessoas da área.

Acho que a role QA sempre foi muito vaga. E acho que esse vago acaba contribuindo pra ser o primeiro nos cortes. O QA entende do negócio e pensa nos cenários? O AN pode se dedicar um pouco mais e fazer isso. O QA automatiza testes? O Dev pode fazer isso. O QA administra o Jenkins, provisiona os ambientes? O SysAdmin pode fazer isso. Então não precisamos de QA :)

Pelo menos é o sentimento que tenho atualmente, não estou dizendo que isso é necessariamente ruim. Eu acredito muito em times onde não se tem cargos e sim papéis e cada um assume qualquer papel no momento que for necessário.

Sobre arrogância, também tem bastante. Mas esse é outro papo :)

O questionamento é saber pra que lado ir agora e em quê apostar na carreira :)

Talvez seja uma boa ideia ir vender miçanga na praia e nunca mais ter crises de gastrite :P

Samy

-2

@Ramses-Saccol-de-Almeida disse: Gostei do teus comentários Ramses, bem realista.

Com relação as demissões em Curitiba acho que foi o lugar mais prejudicado pela crise, a GVT demitiu 20% e o HSBC demitiu todos os terceiros e alguns funcionários, essas duas empresas são as mais fortes na região, bem provável que demita mais até o final do ano.

-3

@Samanta-Cicilia Conheço todos os DEV bem que trabalho no time da GVT de Engenharia, nenhum deles quer fazer o trabalho de QA, nenhum deles tem paciência para lidar com os problemas como um QA, mas isso vai de empresa pra empresa, um amigo foi pra uma empresa que os DEVs são responsável pela qualidade, mas não são todas as empresas assim.

Uma matéria interessante sobre o assunto:
http://destinonegocio.com/br/empreendedorismo/resiliencia-no-trabalho-para-superar-a-crise-confira-8-passos/

Já escrevi um post sobre o assunto. Vale a reflexão!
http://talkingabouttesting.com/2015/02/25/a-extincao-do-profissional-de-qa/

@Reinaldo Mas dai tenho que concordar com esses DEVS. Fazer trabalho de QA não vai ser algo que queiram fazer. Mas entregar algo com a melhor qualidade sim. Existem diferenças sutis a serem cuidadas nesse pensamento. Mas eu aposto que o ambiente onde eles trabalham, as questões como prazo, ambiente para desenvolver e testar , gerencia com microgerenciamento excessivo e outros são fatores mais impactantes para eles pensarem assim.

Tirando o lance da crise e de cortes de gastos (que são fatores externos a profissão e portanto não podemos afetar tão diretamente), os próprios QAs muitas vezes tem culpa no cartório - e isso sim podemos afetar e mudar, daqui pra frente.

Ser um QA/Tester/trabalhar-com-qualidade é uma tarefa que não se resume a “fazer verificações manuais/automatizadas”. Se você se resume a fazer isso durante todo seu dia, seu papel no time pode ser feito por Devs. Porém, se você repetidamente mostra ao time que, além de fazer essas verificações, você pode ajudar na escrita dos requisitos, pode questionar assumptions em reuniões técnicas, pode sugerir um melhor processo de trabalho, pode ajudar os mais Juniors a se desenvolverem e com quem eles devem falar em situações adversas, então você se mostra útil. E pessoas úteis tendem a não ser demitidas. Elas podem até mudar de cargo dentro da empresa, se a empresa entender que “trabalho de QA é só verificar constantemente o produto”…

Como pessoas insatisfeitas numa crise, seria legal ver mais o discurso de que nós causamos a crise (e como fazer para modificar isso) do que os mimimis constantes com os fatores externos. Nós temos que assumir a responsabilidade por vender a profissão. Até agora, eu só vejo gente vendendo que “o fim está próximo”, então quem sabe não vale mais a pena começar a aprender como saber viver nesse mundo novo :)

Edit: link bem na vibe que comentei https://blog.gurock.com/do-we-still-need-dedicated-testers/

Meus cents!

As colocações do @Ramses-Saccol-de-Almeida super valem.

Mas além do que ele mencionou tenho uma visão ainda mais, digamos assim, preocupante. Pois na realidade de onde venho (Fortaleza - CE) as empresas não apenas não valorizam os profissionais de QA por terem outros com perfis que substituem como o que foi colocado pelo Ramsés, mas também (ao menos dentro do meu entendimento) não valorizam a qualidade em si. Pois vi N vezes seleções para cargos plenos serem substituídas por seleções de estagiários.

Hoje mesmo na lista do GTS-CE no goglegroups foi levantado ua thread sobre questões do mercado, vagas e talz e mencionei minha troca de estado (hoje moro em Porto Alegre - RS) e num comparativo bem grosseiro, a diferença em um mês foi quase de 12 pra 1.

Assim tenho de concordar com o Ramses na questão de que aqui no RS ainda não é sentido perca de posições de trabalho, mas sim, vejo muito a valorização de skills voltadas para automação, devops e sysadm.

Finalizando, não vejo como um todo a morte ou o fim de QA, mas sim o amadurecimento desse profissional, pode ser que a nomenclatura um dia chegue a mudar, mas a evolução técnica é favorável.

[]'

Kamilla Queiróz

@Gabriel-Oliveira curti bastante suas observações. Como o @Ramses-Saccol-de-Almeida já tinha citado também, se a empresa está cortando os gastos é óbvio que ela vai manter quem mais produz valor, nesse casos os devs e os outros cargos acabam ficando em segundo plano. Os papéis continuam existindo mas são exercidos por menos profissionais.

O que você citou tem bastante a ver com o meu pensamento sobre a abrangência do QA, a gente tem um leque tão grande de coisas que é difícil limitar o que um QA faz por exemplo.

Como você falou, acho que só fazer testes, sejam manuais ou automatizados, não justificam mais um cargo. É exatamente a questão da transformação e estar nos papéis em determinada situação.

Eu por exemplo, apesar de ser QA, passo a maior parte do meu tempo automatizando rotinas, administrando as ferramentas que apoiam o desenvolvimento (principalmente quanto a Continuous Delivery) e melhorando os pipelines de entrega. Atualmente estou mais pra SysAdmin/DevOps que escrever/automatizar testes.

E como a @Kamilla-Queiróz citou, dependendo da região do país as coisas são bem diferentes. No Rio infelizmente o movimento tem sido cortar pessoas pra reduzir os custos e os primeiros cortados continuam sendo os testers tanto manuais (por exemplo a Petrobrás que mandou uma galera embora) quando a galera que trabalha com automação.

Vamos continuar essa discussão no Hangout \o/

Samy

-1

@Ramses-Saccol-de-Almeida Toda empresa multinacional tem os prazos muito curto, o gerente que promete pro vice presidente da empresa que vai entregar no prazo, nunca que o DEV quer codificar baixo nível e ter que cuidar da parte de testes também, e todos os DEVs são especialistas, mas é claro que isso depende da empresa, tem empresas que o DEV tem tempo pra fazer essas coisas. Essa parte que você citou do Microgerenciamento é bem legal, mas é bom abrir um outro tópico pra isso.

  • PS: meu questionamento não tem nada haver com o processo de qualidade, acho que vc interpretou de má forma!

Olá pessoal,

refletindo sobre o assunto, acredito que o QA não esteja próximo do seu fim. Assim como qualquer área, estamos sim em processo de evolução, onde estão sendo exigidos cada vez mais conhecimento e flexibilidade do profissional.
Sem dúvidas somente testar não é mais nosso principal papel, ainda com a forte tendência de ampliação do uso de modelos ágeis nas empresas, acredito que o QA passa a ser ainda mais fundamental, pois é o profissional que possui o olhar crítico para a construção de um software com qualidade. Por mais que Dev possa testar, AN também, os perfis são diferentes do nosso.

Tenho relatos de onde trabalho que, em uma equipe Scrum foi feito um piloto incluindo um Analista de Testes em todo o processo durante algumas Sprints. Após esse piloto o analista voltou ao seu trabalho “normal”, e a equipe Scrum deu vários feedbacks do quanto foi mais produtivo o período em que QA esteve envolvido, e pedindo que essa pessoa continuasse.

Acredito que se continuarmos buscando aperfeiçoamento, como temos feito através aqui da comunidade, procurando saber mais a parte técnica, desenvolver, gerenciar projetos e saber nosso papel dentro de um time ágil, dificilmente não terá uma posição no mercado. E as empresas que dão menor importância para a qualidade, na minha opinião estão fadadas ao fracasso se não mudarem.

Pelo que tenho acompanhado do mercado, aqui em SP ainda tem bastante vagas de Analista de Testes surgindo periodicamente, grande parte pedindo automação e também skills de desenvolvimento. Mas não sei fazer um comparativo com o cenário antes da crise.

Agora quanto as empresas pensarem em primeiro reduzir a equipe de QA quando necessita reduzir custos, isso infelizmente vejo que acontece, mas tenho a esperança de que no futuro a tendência seja enxergarem que nossa importância é a mesma de qualquer outra parte do desenvolvimento.

@Reinaldo Me perdoe em discordar do seu comentário, mas o problema da maioria das multinacionais é excesso de planejamento e pouca visão do tempo gasto para executar as tarefas/projetos. E se gasta um absurdo de tempo com documentações que no final é “fala com o fulano lá que ele sabe melhor”. E isso não suporta as mudanças enquanto estão tendo as mudanças sobre as diversas áreas.
Sobre microgerenciamento, eu só tenho a dizer: NAO, NAO, NAO e N A O !..

@LeoCarvalho sobre esse piloto que você falou, passei a mesma situação. Quando entrei na empresa (uns 4 anos atrás) não tinha ninguém de testes. Fizemos um piloto com um time e funcionou super bem. Daí todos os times passaram a ter tester. Ano passado com esses cortes de custo a maior parte foi desligada e agora nem todos os times tem tester.

Uma coisa que eu observo desse cenário é que os desenvolvedores melhoraram bastante nesse espaço de tempo e em alguns times eles são completamente capazes de continuar o bom trabalho que os testers começaram. Conheço vários times que só tem devs e eles são muito bons e desenvolvem com qualidade. Assim como conheço times que não são assim.

Lembrando que não se pode generalizar.

Outra realidade que tenho visto (como professora e consultora) é que as empresas estão investindo em treinamentos de Qualidade de Software para os devs ou contratando Consultoria também para ensinar/auxiliar os devs.

Samy

@Ramses-Saccol-de-Almeida Não sei se é excesso de planejamento, pra me o problema na minha empresa que o planejamento mudava o tempo todo, microgerenciamento é complicado, como falei não estou discordando de a pessoa fazer um processo bom de qualidade! Estava falando com relação aos DEVs querer fazer o trabalho de QA, em todas as empresas que trabalhei nenhum deles queriam fazer esse trabalho, por isso acho meio difícil de um QA perde a sua vaga pra um DEV, mas é claro que todo QA tem que saber programação e ser um bom agente de qualidade no time!
Mas como a @samantacicilia citou cada empresa tem uma realidade diferente!
** Não estou criticando nenhuma empresa, somente são realidades diferentes!

+++Fato engraçado que acabei de lembrar+++

Quando nós começamos a pensar em testes em 2011 e ter pessoas dedicadas a isso, criamos uma visão para esse assunto:

Visão
Ser um canal temporário de comunicação e viabilização da melhoria contínua do processo e arquitetura de desenvolvimento de software web dos produtos digitais. No futuro, sermos dispensáveis.

Desde essa época já pensávamos em ser “dispensáveis”, ou seja, arrumar toda casa e deixar os devs conduzirem o resto :)

Samy

-1

@Reinaldo “planejamento mudava toda hora” não te parece algo como excesso de planejamento (desgovernado na verdade, “got it”?)?
Sobre os DEVS não quererem fazer “trabalho de QA”, usando termos bem burocráticos, qual o sentido de o DEV, aumentar o escopo de trabalho sem ganho de tempo para tal aumento??? Galera que trabalha nesse tipo de ambiente, só faz tais tarefas se tiver TEMPO (Ou são forçados a fazer, mas é outro assunto). Se tu tira o microgerenciamento “da jogada” e incentiva a um DEV querer ver mais sobre qualidade, ele vai produzir com mais qualidade (lembrando que ele pode se motivar a participar em lista de teste para ver sobre “processo de qualidade”).
Sobre DEV tirar vaga de QA, eu falei isso?

@Ramses-Saccol-de-Almeida Qual é o assunto do tópico? A crise e o fim do QA? Eu dei meu ponto de vista sobre o assunto e você foi pra outro lado, por isso falei pra vc criar um outro tópico. Concordo como muitas coisas que falou, mas tem muitas coisas que vão de empresa pra empresa, elas trabalham de formas diferentes com tecnologias diferentes.

@Reinaldo sobre o post que você falou da entrevista, ok! Apagamos ele.

Mas os outros posts tem que deixar senão toda thread perde sentido. Essa é a ideia da discussão, colocar os pontos de vista e falar sobre eles.

A discussão tá bem rica, não vamos deixar os mal entendidos interferirem nisso.

Samy

Log in to reply

Looks like your connection to Agile Testers was lost, please wait while we try to reconnect.